Sérgio Aguiar questiona versão enviada ao STF sobre o fim do TCM (ordem do dia)

Sérgio Aguiar questiona versão enviada ao STF sobre o fim do TCM (ordem do dia)
27 de outubro de 2017

Em seu pronunciamento na ordem do dia da sessão plenária da Assembleia Legislativa desta sexta-feira (27/10), o deputado Sérgio Aguiar (PDT) informou que conversou com o parlamentar Heitor Férrer (PSB) e concluiu que o memorial apresentado aos juízes do Superior Tribunal Federal não condiz com o que fora redigido pelo colega. O documento foi enviado para o Supremo Tribunal Federal (STF) por ocasião do julgamento da extinção do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM).

Usaram do memorial de Heitor Férrer para fazer acusações outras que pudessem macular a imagem dos conselheiros, tentando passar aí uma mentira”, declarou o parlamentar.

Sérgio Aguiar comentou sobre a menção ao nome de sua esposa, a gestora de Camocim, Mônica Aguiar. “A prefeita Mônica Aguiar passou a ser prefeita em 1º de janeiro de 2013, e de lá para cá não teve nenhum processo no Tribunal de Contas dos Municípios que tenha prescrito”, expôs.

O deputado explicou também que seu pai, Francisco Aguiar, que conduziu o TCM, declarou-se impedido de julgar as contas de municípios onde foi votado, e também do município de Camocim, onde não exerceu nenhum cargo público.

Aceito as desculpas do deputado Heitor Férrer. Aquilo que foi levado ao STF, intitulado como se fosse de vossa excelência, é uma peça mentirosa. Sei daqui o respeito que tenho por todos os meus pares. Dessa forma, encaro de frente todo debate que seja conduzido a mim e à minha família”, concluiu o parlamentar.

*Da Agência Assembleia